O que há de errado em ser mulher?

Já ouvi várias vezes mulheres dizendo que gostariam de ter nascido homem, como se ser homem fosse melhor do que ser mulher. É a prática do velho ditado: “A grama do vizinho é sempre mais verde”. Falta a estas mulheres saberem que ser mulher é desfrutar de um privilégio inigualável.

Biblicamente falando, o homem nasceu para o trabalho, isto porque “O Senhor Deus colocou o homem no jardim do Éden para cuidar dele e cultivá-lo” (Gênesis 2.15), enquanto a mulher foi criada com o propósito de ser a “mãe de toda a humanidade” (Gênesis 3.20).

A mulher sempre foi especial, desde a sua criação, o que para Jesus não era novidade, talvez seja por isso que escolhera uma mulher, Maria Madalena, para vê-lo ressuscitado em primeira mão.

Na perspectiva divina a importância da mulher é vista até mesmo no plano da salvação – Deus precisou apenas da mulher para nela gerar o Salvador do mundo. Neste processo, a função do homem foi apenas a de proteger Jesus e sua mãe dos perigos que os cercavam.

Sendo assim, se a mulher souber como Deus a vê ficaria mais grata por ter nascido mulher. O seu papel no mundo é insubstituível. Sem ela a nossa vida não seria possível e nem mesmo haveria sentido. Na prática, Deus dotou a mulher de sentimentos para equilibrar nossas emoções, de visão especial para ver aquilo que não conseguimos enxergar e de fortaleza para nos ajudar em nossas fraquezas. Por tudo isso, a mulher não é só uma “costela”, ela é o que equilibra um homem e uma família.

Infelizmente, em uma sociedade que valoriza apenas as coisas e despreza a vida é comum as mulheres pensarem que algo de errado esteja acontecendo com elas. Além do mais, com as constantes cobranças do mercado de trabalho para que sejam imponentes elas são por fim impedidas de exercer suas feminilidades.

É importante que as mulheres saibam que o valor delas não está naquilo que os outros pensam, e sim, naquilo que realmente são. Nada há de errado em ser mulher, porque isso não as diminui, nem as desvalorizam.

Ser mulher é uma dádiva divina. Em sua essência é ser mãe, amiga, companheira, filha, tia, sogra, esposa, conselheira, irmã, trabalhadora, incentivadora, adjuvante, apoiadora, servidora. São muitos os substantivos, adjetivos e verbos que a definem como mulher. A verdade é que a mulher é tudo isso e muito mais.

Logo, resta a todos a valorização das mulheres, e a compreensão de que sem elas o mundo seria sem graça!

Nelson Costa.